Em algum lugar tem alguém que precisa de VOCÊ, para ela você é muito útil

Eu estava com um grupo de voluntários na comunidade de Santa Luzia na Estrutural. Íamos de casa em casa ajudar famílias. O protocolo era entrevista, identificar necessidades e entrega de cesta de alimentos. Enquanto isso, eu aproveitava o ensejo para brincar com as crianças de cada casa.  Essas me mostravam seus brinquedos e brincadeiras favoritas.

Em certo domicílio, após voltar para a sala notei algo interessante: era uma mulher sozinha com seu único filho. Seu semblante pouco expressivo me revelava uma tristeza não muito perceptível. Então tive aquele palpite de Deus: Ela quer um abraço somente. Ao grupo que entrevistava, já terminado a conversa, falei: “Acredito que ela precisa de um abraço”. Ao olhar novamente para ela, notei em sua face as lágrimas descendo. Era essa a grande doação que estava precisando. Cada um de nós lhe deu um longo e valoroso abraço. Mais que alimento ela precisava de acalento.

Em nosso Curso de Voluntariado ensinamos sobre a importância de observar o lar e entender as entrelinhas. Devemos ouvir aquilo que não é dito e ver aquilo que não é mostrado nitidamente.

“Mais que alimento ela precisava de acalento.”

Muitos me afirmar que não tem nada a oferecer. O que poderia doar? O que poderia ensinar? Como poderia contribuir? A resposta é mais simples do que se imagina. Você pode abraçar? Então você tem o mínimo para ajudar alguém.

Ter conhecimentos específicos pode proporcionar uma grande ajuda. Temos espaço para médicos, dentistas, psicólogos, pedagogos e todo tipo de profissional. Esses podem fazer uma grande diferença em uma comunidade carente. Assim como os contadores de histórias, donas de casa, cuidadoras de crianças, apoiadores e voluntários cheios de sorrisos e abraços. Cada um dá aquilo que tem.

Todos temos algo a dar. Para alguém, o que temos é muito útil. Existem pessoas que precisam de mim e de você, e nesses lugares somos especiais. Isso me faz lembrar da história bíblica de Jefte, que em seu pior momento foi morar em Tobe, uma terra de vadios. Nesse lugar ele se torna um líder e gerou um grande exército. Para essa cidade, Jefte foi a resposta que eles precisavam. Acredito que assim somos nós, uma resposta para aqueles que precisam de ajuda. Você é a resposta de uma pessoa.

Uma mãe é capaz de ensinar outra mãe. Uma dona de casa dedicada em seu lar é capaz de orientar mulheres de como proporcionar um ambiente sadio e agradável para a família. A grande maioria dos problemas que enfrentamos tem origem dentro da própria casa. Uma janta saborosa após uma sexta exaustiva pode restaurar um casamento. Uma família feliz pode ser o início da sua guinada rumo ao sucesso. Ensinamos em nosso curso sobre o Poder de Mãe.

“Todos temos algo a dar. Para alguém, o que temos é muito útil. Existem pessoas que precisam de mim e de você, e nesses lugares somos especiais.”

Ser relevante não é ter dinheiro, conhecimento ou fama, mas ser aquele que proporcionou algo para alguém. Essa palavra vem do Latim RELEVANS, “o que retira alguém de um problema”, ou seja, para aquele que ajudamos somos muito relevantes. Podemos ser relevantes para uma pessoa, para uma família ou até para uma cidade inteira. Podemos tirar muita gente de muitos problemas. Ou pelo menos abraçar, pois naquele momento o grande problema era a solidão.

Talvez você esteja em um lugar que não é valorizado, mas isso não significa nada. Você tem valor, as vezes não foi percebido. Existem pessoas que precisam da sua ajuda. Para elas, você terá muito valor e será relevante.

FUNGINDO DA ROTINA

Uma médica certa vez me enviou mensagem, queria ser voluntária.

É o tipo de contato que logo sabemos o que fazer, O atendimento médico é extremamente necessário nas comunidades. Mas antes que eu continuasse, ela me avisou: “Não me entenda mal, eu já faça consultório o dia todo e fora os plantões. Eu queria ficar com as crianças! “. Wow! Claro que pode! Sei o que é isso. As vezes precisamos mudar um pouco o nosso cenário para aliviar o corpo e as comunidades são ótimas para isso. Fazer outra coisa, ajudar de outras formas. Como foi dito: abraçar e sorrir são excelentes formas de ajudar.

SEM TEMPO, DINHEIRO E TRANSPORTE

Em um dos nossos posts foi comentado: “Não tenho tempo, dinheiro e transporte. Posso ajudar?”.

Ter ou não transporte não é problema, é possível fazer muito coisa de casa, não é necessário estar lá para realmente ajudar. Assim como dinheiro. Esse é muito necessário, e tem muita gente que esquece de colocar a mão no bolso nessas horas (Veja em nosso curso sobre isso). Todos precisam colaborar, só não faz quem realmente não tem. Ajudar pessoas custa caro, então a ajuda financeira é muito importante para que o projeto possa continuar a existir, mas se o voluntário não tem como, ele pode divulgar e achar outros doadores que podem colaborar. Não ter dinheiro não quer dizer que não pode colaborar financeiramente. Pode sim.

Lembrando, você pode fazer sua doação para a Corrente do Bem Brasília on-line!

Agora não ter tempo é um grande empecilho. Na verdade, todos temos tempo, mas não temos as mesmas prioridades. Todos nossos voluntários, pessoas ocupadas, disponibilizaram tempo para ajudar, e isso é algo que todos temos que fazer. Sem esforço e disciplina nunca poderá ajudar de verdade alguém. Ajudar pessoas deve estar na nossa lista de prioridades, pois além de promover o bem, melhora a nossa qualidade de vida. Ajudamos e somos ajudados.

Ajudar pessoas envolve esforço, gastar dinheiro e usar muito do seu tempo. Mas a recompensa vale a pena. Saber que foi relevante a quem precisava não tem preço.

Conheça o nosso treinamento VOLUNTARIADO INTELIGENTE 2.0. São mais de 50 aulas sobre voluntariado e projeto sociais em comunidades. Clique e saiba mais sobre esse curso que mudará sua maneira de pensar sobre obra social.

Moisés Nogueira de Faria
Presidente da Corrente do Bem Brasília / Generosidade.org

Tags: , , ,