Quando um “recomeço” se torna melhor que dezenas de “começos”

Estava ainda no Maranhão, tinha 15 anos quando os invejei com as meninas, eles estavam usando e eu não; eles estavam com elas, eu não. Pensei comigo mesmo: “isso é bom”. Meu amigo tentou me impedir, mas sem sucesso. Deixei me enfeitiçar, fui me ajuntar com eles.

Eu COMECEI cheirando lolo, ficava doido com aquilo. A cola quase me matou. Então COMECEI a fumar maconha, e à medida que me envolvia uma turma da pesada se volvia em mim. Minha mãe notou que eu estava COMEÇANDO a mudar então decidiu de lá me tirar. Mas aqui não era diferente, meus primos estavam na ativa também e RECOMECEI o que lá no Maranhão deixei.

Devagar ia avançando até que COMECEI com a merla. Pra isso COMECEI a roubar, roubava somente visando usar. Já não tendo como parar, COMECEI a usar o crack. Não foi uma experiência boa, então retornei para a maconha. Parecia que tudo estava sob controle.

Eu COMECEI a perder a vergonha, usava na frente da minha mãe. No fundo já sabia, mas então ficou tudo às claras. Depois de um tempo, conheci um traficante que me instigou a avançar: “Tenho um crack aqui, mas forte do que pode suportar, se usar vai viciar!” na lata respondi: “Me dá, sou forte e vou usar!” Pura ilusão foi a minha, eu era fraco e sabia disso.

Decidi me afastar e procurar emprego, mudar os ares e melhorar. Em uma obra, meu colega de trabalho perguntou:

– “Tu fuma?”.

– “Sim”, respondi.

– “Fuma crack?”

– “Fumo sim”.

– “Embolado? Na latinha? No cachimbo?”.

-“Embolado”.

-“Na latinha vai viciar”.

-“Sou forte, não vicio”. Pura ilusão.

De um tempo pra cá me entreguei totalmente ao vicio, COMECEI a me render. Decidi ir para a casa da minha vó, mas já não tinha nenhum pudor, usava na sua frente e não me importava com ela. Vendi suas panelas. Vendi as telhas da casa. Vendi até os cabos de energia.  Diante de mim ela sentou e chorou profundamente, não sabia o que fazer comigo. Mandou-me embora. Fui morar com um traficante de lá, no começo foi receptivo, mas depois tentou me matar ao descobrir que estava o roubando.

Pedi auxílio à minha família, eles ainda tentaram me internar, mas o que eu queria na verdade era sair daquela situação, logo fugi novamente. Fui parar em Planaltina, mas logo desisti e decidi voltar para Brasília, caminhei 12 horas consecutivas até chegar à rodoviária da cidade. Sentei no chão para descansar os pés que latejavam de dor, uma simpática senhora se aproximou e ouviu atentamente minha história, sacou 10 reais da carteira e pagou minha passagem.  Aquilo que tocou profundamente, pois pela primeira vez senti compaixão de alguém por minha situação, fiquei paralisado pela nobre ação dela. Pra mim não fazia sentido o que estava acontecendo, mas para ela sim. Decidi tentar novamente melhorar, me dar mais uma oportunidade para mudar. Peguei um ônibus para o Céu Azul, quem sabe lá me seria mais acolhedor. Eles foram, mas eu não, não mudei nada. Decepcionei aquele que me acolheu: roubei o vizinho. Roubei. Roubei. Roubei.

“Vendi suas panelas. Vendi as telhas da casa. Vendi até os cabos de energia.  Diante de mim ela sentou e chorou profundamente, não sabia o que fazer comigo. Mandou-me embora.”

Fugindo do traficante local por mais uma vez, parei cansado e orei ao Senhor: “Eu não quero mais essa vida, quero mudar”. Senti que fui iluminado, entendi que deveria procurar uma igreja. Lá me indicou a DÊ VALOR A VIDA, onde encontrei o Reginaldo e Mateus que me acolheram e estão lutando para eu mudar de vida.

Eu COMECEI a falar a verdade novamente. RECOMECEI a viver. COMECEI a acreditar em um futuro para mim. A Dê VALOR A VIDA está mudando a minha vida.

A vida é cheia de começos e recomeços, se será bom, depende do caminho que está seguindo. As vias dos adictos são muito nocivos, nem todos tem a possibilidade do recomeço. Alguns só vão despertar quando já é tarde demais, outros ainda conseguem uma oportunidade. O importante é saber que existe uma porta aberta e quando eles caem na real podem ainda tentar resgatar as suas vidas. É possível ter milhares de começos ruins, mas é possível viver um recomeçar dando valor a sua vida.


DÊ VALOR A VIDA faz esse difícil trabalho com dependentes químicos, através dos seus profissionais, centenas de homens puderam regressar ao conviveu com seus familiares. Esse trabalho foi fundado por Hélio Adicto, ex-dependente químico que faleceu esse ano. Hoje é tocado pela viúva dele e por Reginaldo, outro ex-dependente químico que foi reabilitado pelo instituto.

Cada um contribui com o que pode, alguns que chegam lá não tem a mínima condição de serem tratados. Então entra o nosso apoio, para levar alimentos e doações financeiras para que os trabalhos continuem a serem realizados.

Caso queira contribuir, entre em contato pelo WhatsApp: 61 984088536

Tipos de ajudas necessárias: ALIMENTOS EM GERAL, CARNES, DOAÇÕES FINANCEIRAS PARA CONTAS DE LUZ E ÁGUA

Conta DÊ VALOR A VIDA:
Banco: CAIXA
Agência: 4463  OP: 13
Conta: 2480-6
Razão social: Catia Sirlene S Rodrigues
CPF: 647.446.514-9

DÊ VALOR A VIDA
Comunidade Terapêutica para Dependentes Químicos.
Histórias reais de vidas destruídas pelas drogas e reconstruídas pelo amor.

Uma comunidade terapêutica em Valparaíso

O DÊ VALOR A VIDA faz esse difícil trabalho com dependentes químicos, através dos seus profissionais, centenas de homens puderam…

Em seus piores momentos algo bom está sendo proporcionado

No término da reunião fez questão de ser o primeiro a conversar comigo. Fomos para debaixo das árvores…

O futuro para aqueles que perderam o passado

Um a um vieram falar comigo. A mensagem dada hoje pela manhã foi certeira em seus corações. Eles…

“Vi minha mãe dormindo de Joelhos”, a história de um Adicto

Adolescência. Fase muitas vezes conflituosa. Um misto de medos e sonhos em meio ao caos da autoafirmação. A…

Me perdoa meu pai

Um dia a ficha cai, e isso acontece geralmente em uma comunidade terapêutica. Às vezes passam uma vida…

O ARREPENDIMENTO DO DANIEL, ENFIM LIVRE

Enquanto as outras crianças brincavam, Daniel, aos 10 anos, conhecia a maconha e o álcool. As drogas eram…

As prisões da vida e a liberdade: A história de Hélio Adicto

Ele estava atrás do portão e via a vida lá fora. Era uma criança olhando entre as grades.…

Inimigos que eu conheci

O conheci desde muito cedo, já visitava a minha casa quando eu era pequeno e sempre foi amigo…

Um Lugar Para Dar Valor a Vida

Quando parei o meu carro e olhei para a entrada já me deparei com eles. Estavam no portão…
Compartilhe com os Amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •