QUANDO ENCONTRAMOS UM PAVIO FUMEGANTE NO CORAÇÃO

dsc_1768

Tinha que chegar a Campinas, para voltar à Brasília. Decidi pegar um Uber pra ir rapidinho. Em nossa viagem conversamos de tudo um pouco sem pretensões, até quando chegamos ao assunto dos projetos sociais. Compartilhei um pouco do que fazíamos na Corrente do Bem Brasília, então uma luz se acendeu naquele carro.

Ele disse sobre um projeto que ele desenvolveu há muito tempo, era uma roda de samba,  juntamente com seus amigos faziam finais de semana de arrecadação. Ao som do samba, as pessoas comiam um almoço beneficente e contribuía. Marcio então pegava o dinheiro arrecadado e os alimentos não perecíveis, e levava para uma comunidade carente.

Logo se relevou a sua paixão, mais do que samba ou ter um bar, o que ele gostava era de ajudar. Era do tipo que gastava horas em seu projeto, metia a mão no bolso para complementar, ligava para todo mundo para participar. Enchia sua casa de roupas para doar e não se importava em ir à favela levar (Parece uma pessoa que eu conheço). Com o pouco que tinha, fazia muito e logo virou o cara da ação social. Mas para outros, ele era uma farsa, só estava querendo aparecer. Logo, críticas ao seu trabalho surgiram. Pelo retrovisor eu via seus olhos marejados, ele só queria fazer o bem, mas não foi bem compreendido.

No seu grupo de samba teve uma divisão, alguns cresceram o olho, queriam lucrar com o projeto. Ele tinha os mais nobres sentimentos, mas era assim no coração dos outros. Se viu sozinho então, teve que desistir.

“Foi a melhor viagem da minha vida, poderia durar mais umas 5 horas”.

Tudo que ele queria era ajudar, mas teve que anular o seu sonho. Ainda existia um pavio fumegante em seu coração, e eu, seguindo os moldes de Jesus, não deixei apagar. Falei sobre tudo que fazemos aqui. Contei histórias e projetos, de como encontrei pessoas com o coração certo e dispostas a serem generosas. Com minhas palavras deixava o fogo acender em seu coração. Pelo retrovisor via seus olhos marejados e agora um sorriso faceiro, eu falava tudo que ele precisava ouvir. A esperança voltou: a cada história ele mostrava o braço arrepiado, seu sorriso se tornou incontrolável, algo especial acontecia naquele carro.

No fundo ele precisava de uma razão para voltar, e eu dei várias. Somos criticados, mas podemos perseverar, pois os resultados são maiores do que as vozes contrárias; encontramos pessoas com corações errados também, mas encontramos pessoas com corações generosos que estão dispostos a fazer o bem. Encontramos empecilhos, mas Deus nos ajuda a vencê-los. No final, o bem que é feito vale todo o desafio.

Antes de descer, ele me falou: “Foi a melhor viagem da minha vida, poderia durar mais umas 5 horas”. Eu tinha que ir embora, mas fiquei feliz por toda a nossa conversa. Produzimos generosidade e com certeza vai dar samba.

Moisés Nogueira de Faria
CORRENTE DO BEM BRASÍLIA
www.correntebrasilia.com.br

Passei o meu cartão ao Marcio, me deixei disponível para ajudar em seu projeto. Caso você tenha um projeto social, quero também ajudar com conhecimento, tecnologia e tudo que me for disponível.

OBS: Não tenho uma foto da nossa conversa então vou colocar uma foto de nossas ações. 🙂

Compartilhe com os Amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •